quarta-feira, 1 de junho de 2022

Sari Corte Real é condenada a oito anos e meio de prisão por morte do menino Miguel

Sari Corte Real deixou o menino Miguel, de cinco anos, 
sozinho no elevador do prédio onde mora no centro do Recife.
 CARLOS EZEQUIEL VANNONI/AGÊNCIA PIXEL PRESS

Criança caiu do 9º andar de prédio em 2 de junho de 2020, enquanto estava sob cuidados da patroa da mãe

A Justiça de Pernambuco condenou Sari Corte Real a oito anos e seis meses de prisão por abandono de incapaz pela morte de Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos. O menino caiu do 9º andar de um prédio em 2 de junho de 2020, no bairro São José, em Recife. O juiz José Renato Bizerra, da 1ª Vara dos Crimes contra a Criança e o Adolescente da Capital, decidiu que Sari vai iniciar a pena em regime fechado, mas tem o direito de recorrer em liberdade. “Não há pedido algum a lhe autorizar a prisão preventiva, a sua presunção de inocência segue até trânsito em julgado da decisão sobre o caso nas instâncias superiores em face de recurso, caso ocorra”, diz a sentença.

O caso ganhou repercussão nacional em 2020 e motivou protestos em Recife. Miguel era filho de Mirtes Santana, que trabalhava como empregada doméstica na casa de Sari Corte Real. A mãe saiu para passear com os cachorros e deixou o menino sob os cuidados da patroa. Na época, imagens das câmeras de segurança mostraram o momento em que Sari apertou o botão do elevador e deixou Miguel subir sozinho. Procurado pela Jovem Pan, o advogado de Sari, Pedro Avelino, afirmou que a divulgação da sentença pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco foi antecipada e não consta ainda no processo de maneira oficial. “O Tribunal se antecipou na divulgação. A defesa e a promotoria são parte do processo e precisam ser informadas da sentença antes da divulgação do caso. Agora, nós vamos tentar apelar”, declarou.

Por Jovem Pan