terça-feira, 14 de junho de 2022

Professor norueguês pede que pedofilia seja abordada nas escolas

Ole Martin Moen quer a 'desestigmação' da pedofilia
Foto: Reprodução

Segundo Ole Martin Moen, da Universidade Metropolitana de Oslo, essa perversão deve ser ‘desestigmatizada’

Ole Martin Moen, professor da Universidade Metropolitana de Oslo, na Noruega, está pedindo a “desestigmação” dos pedófilos, porque, segundo ele, “o estado mental de achar crianças sexualmente atraentes é muito comum”.

Moen, que é gay e se identifica como “queer”, também diz que “uma porcentagem significativa de estudantes do ensino médio tem uma identidade sexual pedofílica inata. Isso é algo similar ao que acontece com aqueles que se identificam como LGBT, diz o docente.

Em 2015, Moen escreveu um artigo intitulado “A Ética da Pedofilia”, em que faz as seguintes perguntas: “Quão ruim é a pedofilia? E de que maneiras e por quais razões é ruim?”. Eis um trecho: “Neste artigo, argumenta-se que a pedofilia é ruim apenas na medida em que causa danos às crianças”, escreveu. “E que a própria pedofilia bem como as expressões e práticas pedofílicas que não causam danos às crianças são moralmente boas.”

E continua. “Argumentamos que não é imoral ser pedófilo; é imoral que os pedófilos busquem contato sexual com crianças”, afirmou. “E é moralmente permissível que os pedófilos satisfaçam suas preferências sexuais de maneiras que não envolvam nenhuma criança real.”

Em determinado trecho do artigo, Moen diz que todas as pessoas são pedófilas, visto que, quando éramos jovens, todos supostamente experimentamos desejos sexuais por outras crianças. “Muitos de nós já fomos pedófilos em algum momento”, salientou. “Quando você tinha 11 anos, não é improvável que se sentisse sexualmente atraído por crianças pré-púberes.”

Moen também sugere que, para evitar danos futuros às crianças, seria aconselhável ensinar aos alunos do ensino médio não apenas o que fazer em caso de serem vítimas de abuso sexual, mas também o que fazer no caso de serem pedófilos. “Uma certa porcentagem de estudantes do ensino médio é ou se tornará pedófila”, disse o docente. “Atualmente, eles não recebem nenhum conselho sobre como lidar com sua sexualidade.”

O professor atua no conselho consultivo de um grupo norueguês de direitos trans, a Patient Organization for Gender-Incongruence, que recentemente atacou a feminista Christina Ellingsen. Ela pode enfrentar até três anos de prisão por tuitar que homens biológicos não podem ser lésbicas.

Edilson Salgueiro