quinta-feira, 16 de junho de 2022

Prefeito de Campos autoriza compra de novo mobiliário para o Hospital Ferreira Machado

Unidade ganhará camas e macas novas, além de berços para crianças e cadeiras para os acompanhantes e de banho, garantindo mais conforto para os pacientes. Foto: Divulgação

O prefeito Wladimir Garotinho assinou, nesta quarta-feira (15), autorização para aquisição do novo mobiliário do Hospital Ferreira Machado (HFM). A unidade hospitalar vai ganhar camas e macas novas, além de berços para as crianças e cadeiras para os acompanhantes e de banho. O HFM conta atualmente com 240 leitos, incluindo os do Centro de Terapia Intensiva (CTI) e do setor de pediatria. 

Os equipamentos serão adquiridos com recursos da prefeitura. Participaram da assinatura para a compra do mobiliário o secretário municipal de Saúde, Paulo Hirano, e o presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS) e superintendente do HFM, Arthur Borges.

O prefeito ressaltou que vai seguir trabalhando para que o município continue avançando. “Nosso governo tem trabalhado para cumprir com o prometido durante a campanha, que foi o de cuidar das pessoas. Minha missão é servir, executar e prestar contas", disse Wladimir.

“Esse é um investimento que nunca foi feito na história do nosso município. Humanizamos o atendimento e, com essa autorização do prefeito Wladimir Garotinho para a compra dos novos equipamentos, daremos mais conforto e dignidade aos pacientes e acompanhantes”, disse o secretário, ressaltando que o tomógrafo do Ferreira Machado será inaugurado em breve. 

Arthur Borges destacou que, com o empenho do prefeito Wladimir Garotinho na busca ativa de recursos e a união dos gestores da Saúde, o município avançou em várias frentes de trabalho no ano de 2021 e vem seguindo o mesmo caminho em 2022.

“Estamos prestes a conseguir o credenciamento de dez leitos de UTI do HFM, o que nos coloca em condições de receber recursos da ordem de R$ 4 milhões anuais a serem repassados pelo SUS”, afirmou Arthur Borges, lembrando que o HFM está completando 315 dias sem macas nos corredores.

“Os protocolos de atendimento, regulação e internação foram alterados, reduzindo a permanência de pacientes no setor para uma média de 24h até à devida avaliação e definição de tratamento. Esse novo fluxo resultou em uma diminuição do tempo médio de internação em aproximadamente 48h e um aumento na rotatividade de 40 leitos no hospital”, explicou o médico.