quinta-feira, 16 de junho de 2022

Cidade submersa de 3 mil anos reaparece no Iraque devido à seca

Os arqueólogos acreditam que a cidade perdida seja Zakhiku
(Foto: Reprodução/Universidade de Tubinga)

Arqueólogos acreditam que as ruínas pertenciam ao Império Mittani (1500–1360 a.C.)

Uma equipe de arqueólogos alemães e curdos encontrou uma cidade de 3,4 mil anos que emergiu do reservatório de Mosul, às margens do Rio Tigre, no Iraque. O reaparecimento das ruínas aconteceu em meio a um período de forte seca no país.

Os estudiosos começaram as escavações em janeiro deste ano. De acordo com eles, a cidade pertencia ao Império Mittani, que durou de 1500 a.C. até 1360 a.C. e sucumbiu depois de sofrer invasões dos povos vizinhos hititas e assírios.

Os arqueólogos estimam ainda que a cidade perdida seja, na verdade, Zakhiku, importante centro cultural e econômico dos Mittani. Dentre os escombros, a equipe encontrou um grande edifício, torres e uma enorme fortificação.

 “O prédio é de particular importância, porque nele devem ter sido armazenadas enormes quantidades de mercadorias, provavelmente trazidas de toda a região”, afirma Ivana Puljiz, arqueóloga e professora da Universidade de Freiburg, localizada na Alemanha. “Os resultados da escavação mostram que o local era um importante centro do Império Mittani”, completou.

Segundo os especialistas, os escombros causados por um grande terremoto que atingiu o local no fim do século 14 a.C. podem ter ajudado a preservar as paredes do edifício. Outras relíquias, como cinco vasos de cerâmica com mais de cem tábuas em escrita cuneiforme — uma das mais antigas inscrições do mundo — também foram descobertas.

Os edifícios escavados pelos arqueólogos foram protegidos com lonas plásticas e cascalho, para evitar danos de erosão causados pelo retorno da água. No momento, a cidade localizada no atual Iraque se encontra completamente submersa.

Redação Oeste