quinta-feira, 2 de junho de 2022

China prepara-se para comprar revista Forbes

Foto: Reprodução/Pixabay | Foto: Reprodução/Pixabay

Empresa financiada pelo Partido Comunista Chinês pode comprar icônica revista norte-americana dos muito ricos por US$ 650 milhões

Forbes Magazine, tradicional órgão de imprensa que cobre o mundo das grandes fortunas, anunciou nesta quarta-feira, 1°, que deu mais um passo em direção ao acordo de venda do veículo para a Magnus Opus Acquisition. A Magnus é uma empresa de aquisição de empresas apoiada pelo governo chinês.

De acordo com informações divulgadas pelo jornal The Daily Wire, o valor de compra da Forbes pode chegar a US$ 650 milhões. A intenção é abrir o capital da revista por meio da fusão com a empresa apoiada pelo Partido Comunista Chinês (PCC).

A transação deve ser concluída no fim do quarto trimestre de 2021 ou no início do primeiro trimestre de 2022. Segundo a Magnus Opus, o acordo permitirá que a Forbes “capitalize ainda mais o seu sucesso de transformação digital, busque oportunidades de crescimento adicionais e reconheça plenamente a força e o potencial de sua icônica marca global”.

A empresa afirmou ainda que a equipe de gerenciamento da Forbes continuará administrando a agência de notícias sob a atual liderança do CEO, Mike Federle. A marca foi fundada em 1917 pelo jornalista escocês Bertie Charles Forbes. Mais de 150 milhões de usuários acompanham o seu conteúdo. 

Desde 2014, quando 95% da revista foi comprada pela Integrated Whale Media Investments, um grupo de investimentos com sede em Hong Kong, os herdeiros de Bertie Forbes detêm 5% do valor da empresa, avaliada em US$ 475 milhões.

“A intenção da China parece bastante clara”, afirmou Tom Rogan, do jornal Washington Examiner. “O PCC quer usar um recorte corporativo muito velado para comprar a Forbes e depois usá-la como uma plataforma de mídia ocidental para promover os interesses do partido.”

Redação Oeste