Mais dois jornalistas são assassinados no México, elevando o total de 2022 para 11

Mais dois jornalistas mexicanos foram mortos no país por criminosos não identificados, elevando o número total de jornalistas mortos no país este ano para 11.

O The Guardian informou que os jornalistas Yesenia Mollinedo Falconi e Sheila Johana García Olivera foram assassinados na tarde de segunda-feira (9) na cidade de Cosoleacaque. As reportagens iniciais disseram que a dupla foi morta dentro de seu veículo enquanto esperava do lado de fora de uma loja de conveniência próxima. 

Mollinedo e Olivera eram ambos funcionários da publicação local El Veraz, com Mollinedo atuando como diretor do El Veraz, observou o The Guardian. 

Em comunicado no Twitter, a Procuradoria-Geral do Estado de Veracruz disse que planeja iniciar uma investigação sobre as mortes dos jornalistas, dizendo que “estabelecerá as causas e encontrará a pessoa ou pessoas responsáveis ​​​​por isso”. 

“A trilogia investigativa, promotores, especialistas e polícia ministerial, realizam os procedimentos para estabelecer as causas e encontrar a pessoa ou pessoas responsáveis ​​por isso”, disse o escritório em espanhol.

“A Procuradora Geral do Estado, Verónica Hernández Giadáns, garante que não haverá impunidade; Todas as linhas de investigação serão esgotadas, incluindo sua atividade jornalística”, concluiu o escritório.

As mortes de Mollinedo e Oliveria seguem a morte na quinta-feira (5) do colunista do El Debate Luis Enrique Ramírez, que foi encontrado em uma estrada de terra perto de uma importante rodovia.

O governador do estado de Sinaloa, Rubén Rocha, disse em um comunicado que o governo planeja conduzir uma investigação sobre a morte de Ramírez. 

Os ataques a jornalistas no México aumentaram 85% desde que o presidente Andrés Manuel López Obrador assumiu o cargo em 2018, com cada estado mexicano experimentando uma série de atos violentos contra jornalistas, observou o The Guardian. 

Gazeta Brasil

Postagem Anterior Próxima Postagem