Fernández vai disputar reeleição e promete ‘pôr Argentina de pé’

Alberto Fernández chegou à Presidência argentina em 2019 
 Foto: Reprodução/Flickr

Atual presidente argentino espera alavancar candidatura, mesmo com inflação prevista para 65% no país em 2022

Atualmente em viagem oficial à Europa, o presidente Alberto Fernández admitiu que vai buscar a reeleição na Argentina nas eleições de 2023. A declaração acontece em meio a um momento econômico de extrema preocupação no país, com expectativa de que a inflação ultrapasse 65% em 2022.

Fernández admitiu que pretende disputar as eleições do próximo ano em entrevista a uma emissora de TV espanhola. Questionado sobre se vai estar no pleito, o político do Partido Justicialista (ou Peronista) respondeu: “Definitivamente”.

“Estou absolutamente com todas as forças necessárias para que a Argentina se levante e vou pôr a Argentina de pé, definitivamente. Nós, peronistas, nunca desistimos.”

-Publicidade-

Candidato das correntes políticas de esquerda, Alberto Fernández foi eleito presidente da Argentina nas eleições de 2019, quando derrotou o então mandatário, Mauricio Macri. O atual presidente nunca havia concorrido a um cargo executivo anteriormente.

Nesta quarta-feira, 11, Fernández se encontrou em Berlim com o chanceler alemão, Olaf Scholz. Antes, o presidente argentino passou por Madri, onde se reuniu com autoridades espanholas. A viagem oficial pela Europa ainda tem prevista uma parada na França.

Inflação descontrolada

A inflação na Argentina deve fechar em mais de 65% neste ano, informou relatório do Banco Central do país. Divulgado no fim de abril, o documento mostrou que a inflação no mês passado fechou em pouco mais de 5,5%.

Caso as projeções da autoridade monetária se confirmem, serão 15 pontos acima dos registrados em 2021 — a maior variação anual desde 1991. Além disso, a inflação virá acima dos 55% esperados pelo Banco Central em janeiro.

Na América do Sul, a Argentina só perde para a Venezuela no ranking regional de inflação, de acordo com levantamentos do Fundo Monetário Internacional e da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe.

Redação Oeste

Postagem Anterior Próxima Postagem