Defesa Civil instala dois novos sensores de movimento de rocha na 24 de Maio, em Petrópolis, no RJ

Novos sensores de movimento foram instalados
 na área da 24 de Maio, em Petrópolis.
Foto: Divulgação/Defesa Civil

Equipamentos vão ampliar a vigilância da área para identificar qualquer oscilação ou vibração em todo o entorno. Os sensores acusam não só alteração na posição das pedras, como também podem captar o deslizamento de terra no entorno.

A Defesa Civil de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, instalou dois novos sensores de movimento em rochas na localidade da 24 de Maio. Os equipamentos vão ampliar a vigilância da área para identificar qualquer oscilação ou vibração em todo o entorno.

Segundo o município, os sensores acusam não só alteração na posição das pedras, como também podem captar o deslizamento de terra no entorno.

O local agora passa a ter três sensores. Os novos, instalados nesta quarta-feira (20), foram colocados em outras duas pedras no local e o sensor que já funcionava, passou por atualização.

Sensores foram instalados em duas rochas na 24 de Maio, 
em Petrópolis; local agora tem 3 sensores. Foto: Divulgação/Defesa Civil

A transmissão dos dados coletados pelos sensores é feita de forma constante para o Centro Integrado de Monitoramento e Operações de Petrópolis (CIMOP).

Como o sistema funciona?

Sensores enviam sinais de movimento do solo acima
 de cinco graus para o centro de monitoramento em Petrópolis 
Foto: Divulgação/Defesa Civil

De acordo com a Defesa Civil, o funcionamento do sistema foi constatado a partir do primeiro sensor, instalado no dia 17 de março, que emitiu alertas de segurança durante a chuva do dia 20 do mesmo mês, que deixou sete mortos.

Os sensores complementam o sistema de monitoramento e alertas do município, que já conta com pluviômetros, estações geotécnicas, Sistema de Alerta e Alarmes (sirenes) e mecanismos de comunicação por SMS, canais de televisão por assinatura e emissão de avisos e boletins meteorológicos.

Segundo o município, o monitoramento dos sensores agora é constante. Os aparelhos a todo momento passam informações sobre a posição das pedras. A qualquer vibração ou movimentação é emitido sinal na central de comando por meio de sinal de rádio, disparando alertas e informando quantos graus de movimentação ocorreram.

O sistema conta com monitoramento em tempo real, por 24 horas, pelos 360 graus. Na 24 de Maio, os equipamentos estão programados para enviar disparos de alerta a partir de movimentos acima de cinco graus.

Sistema de monitoramento e alerta da Defesa Civil

Os sensores são os novos equipamentos que passam a integrar o sistema de monitoramento, alerta e alarme da Defesa Civil para os dias de chuva forte no município. A cidade conta ainda com um conjunto de 50 aparelhos pluviométricos do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN) e do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), distribuídos pelos cinco distritos. O município ainda possui cinco estações geotécnicas, que mostram o impacto da infiltração da chuva no solo.

A partir dos índices pluviométricos são avaliados os protocolos para o acionamento do Sistema de Alerta e Alarme por sirenes, que indicam os riscos de escorregamento pelas localidades. O município possui 20 conjuntos de sirenes.

Atualmente os aparelhos sonoros funcionam nas seguintes localidades:

  • 24 de Maio (Morro do Estado);
  • 24 de Maio (Rua Nova);
  • Dr. Thouzet;
  • Alto da Serra – Ferroviários;
  • Sargento Boening;
  • Vila Felipe – Campinho;
  • Vila Felipe - Chácara Flora;
  • Independência - Rua O;
  • Independência – Taquara;
  • João Xavier;
  • Quitandinha – Amazonas;
  • Quitandinha – Ceará;
  • Quitandinha – Duques;
  • Quitandinha - Espírito Santo;
  • Quitandinha - Rio de Janeiro;
  • São Sebastião - Vital Brazil;
  • São Sebastião - Adão Brand;
  • Independência – Siméria;
  • Itaipava – Gentio
  • Vale do Cuiabá – Buraco do Sapo.

Por g1 — Petrópolis

Postagem Anterior Próxima Postagem