Presidente do Peru será investigado por suposta traição à pátria

Pedro Castillo foi eleito para ser presidente do Peru em 2021,
 derrotando Keiko Fujimori no segundo turno. LUIS ROBAYO / AFP

Motivo do processo contra Pedro Castillo é declaração de que daria à Bolívia um acesso ao mar, caso peruanos concordassem

A subcomissão parlamentar de Acusações Constitucionais aprovou nesta segunda-feira o início de uma investigação contra o presidente do PeruPedro Castillo, pelo suposto crime de traição à pátria devido a suas declarações de dar à Bolívia uma saída para o mar. A presidente da subcomissão, Rosio Torres, deu o voto decisivo que permitiu que a investigação da acusação contra o presidente fosse declarada procedente, por nove votos contra oito. A subcomissão será responsável pela investigação da acusação e pela emissão de um relatório para a comissão permanente, que decidirá sobre um eventual debate em plenário.

A acusação contra Castillo ocorre em resposta a declarações que feitas em janeiro à CNN, nas quais o político esquerdista confirmou que em um evento, antes de se tornar candidato à presidência do Peru, declarou que era a favor de dar “mar à Bolívia”. “Agora vamos chegar a um acordo, vamos consultar o povo. Se os peruanos concordarem… Devo ao povo, nunca faria coisas que o povo não quer”, disse o agora mandatário sobre um possível referendo para conceder à Bolívia acesso ao mar através do território peruano. A Bolívia perdeu o acesso ao Oceano Pacífico na Guerra do Pacífico, no século XIX, e exige negociações com o Chile para recuperar a sua soberania marítima. No entanto, o Peru ofereceu à Bolívia uma faixa de praia para a sua livre utilização durante 99 anos e uma zona de livre-comércio na província de Ilo, que ainda não foi totalmente desenvolvida, 30 anos após a sua criação.

O chefe de Estado enfrenta uma nova crise política, com o anúncio de novos pedidos de impeachment contra ele, após declarações da empresária Karelim López ao Ministério Público que o vincularam a atividades de uma suposta organização criminosa dentro do governo peruano. Castillo rejeitou “categoricamente” estas declarações e disse que, “como presidente e como cidadão”, exige que o Ministério Público “prossiga com a investigação já iniciada e dê, assim que possível, explicações objetivas e coerentes à justiça”. Após terem tomado conhecimento da informação, os representantes da oposição no Congresso anunciaram que tentariam chegar a um acordo para apresentar um processo de impeachment contra Castillo. O Peru vive uma instabilidade crônica com seus presidentes, de forma que trocou quatro vezes o ocupante do cargo entre as eleições de 2016 e 2021. Castillo está há oito meses no cargo.

Por Jovem Pan

*Com informações da EFE

Postagem Anterior Próxima Postagem