segunda-feira, 14 de março de 2022

Petrobras faz vídeo justificando aumento dos preços

Vídeo da Petrobras | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Empresa lembra que ficou 57 dias sem reajustar gasolina e diesel, e mais de 150 dias o gás de cozinha

Criticada por promover novos reajustes nos combustíveis, a Petrobras divulgou nas redes sociais neste sábado, 12, um vídeo justificando as ações da empresa (assista abaixo).

A estatal afirmou que “o último reajuste foi necessário para manter o fornecimento por todas as empresas, mitigando riscos de desabastecimento”.

No vídeo, a Petrobras lembra que ficou 57 dias sem reajustar gasolina e diesel, e mais de 150 dias o gás de cozinha. A petroleira ainda reforça que não é a única fornecedora de combustíveis do país. “Mais da metade do abastecimento de carros e motos no Brasil vem de outras empresas.”

“O preço do petróleo e dos combustíveis registrou expressivas altas nas últimas semanas no mundo todo, ainda sim, a Petrobras não repassou imediatamente pois não transmite volatilidade e sabe da importância de contribuir com combustível acessível”, diz a companhia.

Bolsonaro insatisfeito

Também neste sábado, o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a demonstrar insatisfação com o aumento de preços anunciado pela Petrobras, mas reforçou que não vai interferir na empresa.

“Para mim, particularmente falando, é um lucro absurdo que a Petrobras tem em um momento atípico no mundo, não é uma questão apenas interna nossa”, afirmou.

Falando à imprensa após participar de evento de filiação de deputados ao PL, o chefe do Executivo federal não descartou um possível subsídio para a gasolina, caso o preço do barril do petróleo aumente muito no exterior.

“Isso passa pelo parecer do Paulo Guedes”, destacou, dizendo que, caso se transfira todo o preço para o consumidor, a inflação e a economia do Brasil explodem.

O presidente lembrou que a União é acionista majoritária da Petrobras e disse que, por isso, dá seu “palpite” diretamente ao presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, quando necessário. “Mas isso não é interferência. São apenas sugestões.”

Questionado sobre a possibilidade de trocar o comando da petroleira, o chefe do Executivo declarou que “todo mundo pode ser trocado exceto o presidente e o vice-presidente da República”.

Afonso Marangoni