Perseguição policial termina com seis homens presos na Barra da Tijuca

Perseguição policial termina com seis homens 
presos na Barra da Tijuca.
Reginaldo Pimenta / Agência O Dia

Houve tiroteio e o grupo ainda provocou um acidente envolvendo três carros e uma motocicleta perto do condomínio Riviera

Rio - Seis homens foram presos após uma perseguição policial no Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, que terminou em tiros na manhã desta quarta-feira. Segundo informações da Polícia Militar, os suspeitos furaram o bloqueio de uma equipe do Segurança Presente. Eles foram encaminhados para a 16ªDP (Barra da Tijuca).

Após furarem o bloqueio, uma equipe do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes) deu ordem de parada para um veículo, um Chrysler 300c, que trafegava na Avenida Lúcio Costa, mas o motorista não atendeu novamente, e começou uma fuga. De acordo com a Polícia Militar, um alerta via rádio foi dado e um cerco, com apoio de unidades do Barra Presente, foi montado na via, sentido Recreio dos Bandeirantes. Disparos foram feitos do veículo em fuga contra a equipe, que revidou.

Durante a perseguição, o grupo ainda provocou um acidente envolvendo três carros e uma motocicleta perto do condomínio Riviera, também na Barra da Tijuca. Não há informações de feridos na ação.

Na altura da Praça do Pomar, no Jardim Oceânico, o veículo, que custa cerca de R$135 mil, colidiu e parou, onde dois dos seis ocupantes, tentaram fugir, mas foram presos junto ao restante do grupo. O carro ficou com várias marcas de tiros e o vidro traseiro estilhaçado.

A ação deixou os moradores da região assustados. A nutricionista Fabiana Granjeiro disse que acordou ao som dos tiros.

"Levantei e escutei o barulho de um carro e imaginei que era um pneu furando, mas quando escutei o barulho da viatura, já me toquei que era um tiroteio. Aí só escutei a secretária e uma família gritando gritando na rua 'pega os cachorrinhos, as crianças, todo mundo pro chão'. Ficou todo mundo assustado. Os bandidos atravessaram o canteiro, pararam com o carro atravessado na rua e alguns pularam o quintal do vizinho. A viatura cercou de todos os lados e graças a Deus não teve nenhum ferido. Pegaram os elementos e levaram pra delegacia e a paz voltou a reinar na Barra", disse a moradora.

Crime na mesma região

Em outubro do ano passado, o cirurgião plástico Cláudio Marsili, de 64 anos, foi morto com um tiro na cabeça, na Rua Fernando Mattos, na Barra da Tijuca, Zona Oeste. Ele chegava para mais um dia de trabalho em uma clínica, na qual era sócio, no Jardim Oceânico e tinha acabado de estacionar o carro, quando foi baleado.

No fim de janeiro deste ano, a Polícia Civil prendeu o traficante Thiago Fernandes Virtuoso, conhecido como Tio Comel, no Morro do Turano, na Zona Norte do Rio. O criminoso foi o responsável por encomendar o roubo de uma Hilux, que resultou na morte de Marsili. Ele é apontado como o maior especialista em clonagem de carros do estado do Rio. 

 do cirurgião plástico Cláudio Marsili, de 64 anos. Ele foi morto com um tiro na cabeça, na manhã desta terça-feira (19), na Barra da Tijuca. O crime aconteceu a menos de 500 metros da sede da especializada, na Rua Fernando Mattos, por volta das 6h30. Ele chegava para mais um dia de trabalho em uma clínica, na qual era sócio, no Jardim Oceânico e tinha acabado de estacionar o carro, quando foi baleado. 

De acordo com a Polícia Militar, equipes do 31º BPM (Barra da Tijuca/Recreio dos Bandeirantes) foram acionadas para um ocorrência com vítima de tiros na região da Barra. No local, já encontraram o homem sem vida.

Testemunhas relataram à polícia que a vítima estava em seu carro particular, um Toyota Hilux, e foi abordada por pelo menos três bandidos que estavam em Sandero preto. Assim que saiu do carro, ele foi baleado na cabeça. Os bandidos fugiram levando o carro do médico. O crime aconteceu perto do local de trabalho de Cláudio Marsili. 

A Polícia Civil trabalha com a hipótese de latrocínio, roubo seguido de morte, mas não descarta outra linha de investigação. A DH vai analisar imagens das câmeras de segurança da região para tentar identificar os assassinos. 

O corpo foi removido por volta das 10h e levado para Instituto Médico Legal (IML). Familiares estiveram no local do crime, mas, ainda abalados com a tragédia, não comentaram sobre o caso. 

Em nota, o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) explicou que "lamenta a morte do renomado colega Claudio Marsili, por um motivo tão cruel. Ontem (18), nossa categoria profissional celebrou o Dia do Médico, com uma iluminação especial no Cristo Redentor por esta data, e é muito triste receber esta notícia e saber que estamos tão expostos à insegurança e à violência em nossa cidade. Pedimos às autoridades que assegurem o nosso direito de ir e vir e que os responsáveis sejam devidamente punidos. O Cremerj se solidariza com familiares, amigos e colegas de trabalho neste momento de dor."

Violência assusta

Continua após a publicidade

Um guardador de carros que trabalha na rua onde ocorreu o crime disse que todos que estavam na rua ficaram assustados com os barulhos dos tiros na hora do assalto. Segundo ele, a região vem sofrendo com a onda de assaltos. 

"Todos os dias tem assalto aqui na região, mas assim com morte é a primeira vez. Na hora que escutamos os barulhos dos tiros saímos correndo para o lado do metrô. Quando a gente viu que era o doutor, ficamos nervosos, mas ele já estava morto", disse o homem, afirmando sobre o medo de quem circula pela região: "Assalto aqui é rotina". 

Portal dos Procurados pede informações sobre criminosos envolvidos no crime

Portal dos Procurados divulgou o cartaz pedindo informações sobre os criminosos que assassinaram o médico. O objetivo é auxiliar nas investigações da Delegacia de Homicídios da Capital com a possível identificação e prisão dos envolvidos no crime.

A DH já realizou a perícia no local. Os investigadores da especializada buscam informações e imagens das câmeras de segurança da região para ajudar na identificação dos autores do crime. A principal hipótese para é roubo seguido de morte (latrocínio). O crime aconteceu a menos de 500 metros da sede da especializada.

Filhos pedem orações para o pai

Os filhos do cirurgião plástico Cláudio Marsili, o psiquiatra Italo Marsili e a irmã, Mila Marcili, influencer digital, usaram suas páginas nas redes sociais para pedir orações pelo pai.

Italo esteve no local do crime, mas não conversou com a imprensa. Ele agradeceu as mensagens recebidas por parentes e amigos.

"Muito obrigado pelo carinho e pelas orações de todos. Sigam rezando incessantemente pela alma do meu pai, meu amor", escreveu.

Mila também publicou em seu perfil no Instagram pedidos para que os seguidores rezem pelo cirurgião e agradeceu o apoio. "Que Deus possa receber com carinho mais um de seus filhos no céu. Obrigada a todos pelas mensagens de carinho", disse em sua publicação.

Quem é Cláudio Marsili

Nas redes sociais, o médico se apresenta como cirurgião plástico.Cláudio Marsili é formado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) é pós graduado em cirurgia-geral. Na área de cirurgia plástica estética e reparadora, fez pós graduação pela Universidade Estácio de Sá. É doutor em Saúde Pública pela Universidade de Ciências Empresariais e Sociais (Uces), da Argentina.

Em uma de suas últimas postagens, Marsili citou sobre a insegurança de seus pacientes ao buscarem atendimento em uma consulta. 

Você se sente insegura ao ir em uma consulta?
Vejo muitas pacientes que demoraram para ir à uma consulta por medo ou por não saberem o que de fato queriam ou precisavam.
Antes de mais nada a consulta é um espaço onde iremos conversar. Meu objetivo é que você se sinta confortável e saia confiante do que você deseja.
Conversar diretamente com o cirurgião pode te dar um parâmetro de como o procedimento será realizado e como será a recuperação, o espaço da consulta é inteiramente seu.
Não deixe o medo te impedir de realizar seu desejo!

Postagem Anterior Próxima Postagem