Joana D’arc ucraniana: empresária abandona loja de joias para lutar na guerra como sniper

Emerald Evgeniya segura arma após voltar ao 
exército ucraniano. ARQUIVI PESSOAL

Emerald Evgeniya voltou a vestir a farda após 12 anos para combater os russo e é a única mulher entre 100 homens da tropa das forças especiais

Antes da invasão russa à Ucrânia, Emerald Evgeniya levava uma vida tranquila com sua filha em Kiev, onde administrava a prórpia loja de jóias. Há 12 anos, ela decidiu deixar para trás a formação militar, para se tornar uma “mulher de negócios”, como gosta de dizer.

“Assim que a guerra começou, larguei minha carreira e voltei para o exército. Agora trabalho na inteligência das Forças Especiais e sirvo como franco-atiradora (sniper). Sou a única mulher entre 100 soldados”, conta.

Um franco-atirador ou sniper tem uma grande responsabilidade em campo de batalha e passa por um intenso treinamento para chegar a esse posto. O armamento utilizado tem como principal característica uma mira que permite acertar alvos que estão muito distantes. Atingir um inimigo com um risco menor de ser contra-atacado é uma das vantagens.

“Eu luto porque é o meu dever e acredito no grande futuro da Ucrânia, sinto que tenho me preparado para essa situação por toda a minha vida. Além disso, eu recebo apoio, as pessoas me chamam de Joana D’arc ucraniana.”

Emerald está entre os milhares de soldados que tentam proteger a Ucrânia diante da superioridade militar da Rússia. A população ucraniana ajuda como pode e recorre até a armas medievais para conter os tanques inimigos. Os caltrops (estrepes em português) são feitos com pontas de ferro afiadas e estão espalhados nos arredores de Kiev.

Homens e mulheres com pouca ou nenhuma experiência se voluntariam para receber treinamentos e equipamentos para enfrentar os russos. Atualmente, quem quer servir basta ter entre 18 e 60 anos e ter o passaporte ucraniano.

Emerald durante sua formação militar. 
ARQUIVI PESSOAL

Emerald afirma que o momento mais difícil da guerra foi quando finalmente se deparou com o exército russo. “Eu voltei a atirar e percebi que estava frente a frente com um soldado deles. Isso aconteceu no segundo dia de combate, eu estava com medo, mas agora entendi que essa é a minha realidade.”

A vida da mãe e mulher de negócios mudou radicalmente nos últimos 21 dias, assim como a de milhões de ucranianos. “Antes eu tinha uma vida de luxo, hoje vivo apenas com meu uniforme militar, um telefone, dois pares de meia e um tênis. Também fiz doações para muitas pessoas que perderam suas casas e agora estão sem nada. Penso que depois da guerra, se eu sobreviver, posso ganhar esse dinheiro de volta com o meu trabalho.”

Desde a invasão russa, mais de 3 milhões de pessoas deixaram a Ucrânia, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), ligada à ONU. Do total, 1,4 milhão são crianças, e entre elas está Jasmine, de 10 anos, filha de Emerald que partiu para a Polônia.

 “Estou no exército porque quero que minha filha viva em um país livre. Não sairei daqui até vencermos esta guerra. Quero paz e liberdade para minha família e para todos os ucranianos”, explica Emerald.

Emerald e sua filha Jasmine. 
ARQUIVI PESSOAL

Enquanto os bombardeios avançam e os soldados tentam impedir a tomada da capital Kiev, representantes dos dois países tentam chegar a um acordo. Nesta terça-feira (15) , Mykhailo Podoliak, negociador e conselheiro do presidente ucraniano, Volodmir Zelenski, e Vladimir Medinski, conselheiro do Kremlin, retomaram a quarta rodada de negociações.

Do outro lado, membros da Otan espalham sanções para isolar cada vez mais a Rússia do cenário político e econômico. A sniper, entretanto, acredita que a saída para conter o avanço russo seria o fechamento do espaço aéreo ucraniano, há muito pedido por Zelenski aos ocidentais. “Somos fortes no espaço terrestre, mas não estamos protegidos no céu.”

“Não sairei daqui até vencermos esta guerra e eu acredito que a Ucrânia será vitoriosa”, completa.

 Letícia Sepúlveda, do R7

Postagem Anterior Próxima Postagem