‘Causa da queda de avião é nebulosa’, diz mídia estatal da China; não há sinais de sobreviventes

 Foto: Reuters

Até agora nenhum sobrevivente foi encontrado no local da queda de um avião do modelo Boeing 737-800 da China Eastern Airlines. A informação é da rede de TV estatal chinesa CCTV.

Nesta terça-feira (22), as equipes de resgate lutam contra a chuva e a lama na busca por sobreviventes ou vestígios que possam esclarecer as causas da queda do voo, no sul da China.

Bombeiros acharam muitos pedaços do avião incinerados, por conta do incêndio provocado no choque com o solo.

A aeronave, com 132 pessoas a bordo, entre elas nove tripulantes, caiu na segunda-feira (21) em Guanxi, uma região montanhosa no sul da China, após uma descida misteriosa na vertical.

A altitude do avião baixou 6.000 metros em pouco mais de dois minutos, uma trajetória que intriga especialistas.

Moradores do vilarejo mais próximo à queda conversaram nesta manhã com integrantes da equipe de resgate e relataram um barulho muito forte da descida do avião seguida de dois grandes estrondos.

Eles também disseram ter visto muitos pedaços da aeronave desintegrados.

A polícia cercou o local e impediu o acesso de jornalistas ao vilarejo. As autoridades locais também não divulgaram se a caixa preta já foi encontrada.

O ditador comunista da China, Xi Jinping, ordenou uma investigação profunda para que as causas do acidente sejam determinadas o mais rápido possível. Mas a mídia estatal disse que o caso é “nebuloso” .

‘Dados muito incomuns’

A agência de aviação civil do país não esclareceu até agora se houve algum diálogo dos pilotos com a torre de comunicação antes da queda.

De acordo com o site FlightRadar24, que monitora voos em todo o mundo, o avião perdeu contato com as torres quando sobrevoava a cidade de Wuzhou, também no sul do país.

As equipes de resgate também não informaram se já encontraram a caixa preta, que poderia esclarecer os motivos da queda. 

O ex-diretor do Escritório de Investigação e Análises de Segurança Aérea da França, Jean-Paul Troadec, afirmou à agência de notícias AFP que os dados do FlightRadar24 são “muito incomuns”.

A aeronave, um Boeing 737-800, operava havia seis anos e tinha bom histórico de segurança de voo, também de acordo com o FlightRadar24.

A Boeing informou que está coletando mais informações com autoridades locais para iniciar uma investigação sobre o caso. A imprensa estatal chinesa informou que a companhia aérea suspendeu os voos com o mesmo modelo de aeronave.

“Destroços do avião foram encontrados no local, mas até agora nenhum dos que estavam a bordo do avião com quem o contato foi perdido foi encontrado”, disse a emissora estatal CCTV na manhã de terça na China.

A mídia estatal chinesa afirmou que as equipes de busca ainda não encontraram sinais de sobreviventes. Na segunda-feira (21), a China Eastern Airlines divulgou um comunicado lamentando o episódio, mas informou o número de vítimas ou sobreviventes e não deu nenhuma explicação sobre possíveis causas.

Gazeta Brasil

Postagem Anterior Próxima Postagem