‘Boto a minha cara no fogo pelo Milton’, diz Bolsonaro

Ao centro, presidente Jair Bolsonaro 
 Foto: Reprodução/Redes Sociais

'Estão fazendo uma covardia com ele', afirmou o presidente da República

O presidente Jair Bolsonaro (PL) saiu em defesa do ministro da Educação, Milton Ribeiro, e disse nesta quinta-feira, 24, que coloca a sua “cara no fogo” pelo titular do MEC. “Estão fazendo uma covardia com ele”, afirmou.

O posicionamento é uma reação a um áudio divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo em que Ribeiro diz priorizar prefeituras cujos pedidos de liberação de verba foram negociados por dois pastores, que não têm cargos no governo.

 “O Milton, coisa rara de eu falar aqui. Eu boto minha cara no fogo pelo Milton, minha cara toda no fogo pelo Milton. Estão fazendo uma covardia com ele”, declarou Bolsonaro, na live.

Na transmissão ao vivo, Bolsonaro defendeu o trabalho do ministro e lembrou que o caso já tinha sido encaminhado aos órgãos de investigação antes de os áudios serem revelados. “O Milton tomou as providências”, disse.

O presidente também afirmou que há pessoas pressionando pela troca do ministro. “Agora, tem gente que fica buzinando, faz chegar pra mim: ‘Manda o Milton embora, já tenho um bom nome para botar aí.’ Tem gente que quer botar alguém lá, mas não fala publicamente, ‘ó eu tenho um nome'”, afirmou.

Hoje, a ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinou a abertura de um inquérito para apurar a atuação de pastores no MEC.

Controladoria-Geral da União

A Controladoria-Geral da União (CGU) informou na quarta-feira 23 que, após realizar investigações para apurar denúncias no âmbito do Ministério da Educação, não constatou irregularidades cometidas por agentes públicos, mas sim suspeitas envolvendo terceiros.

Diante disso, a Controladoria sugeriu o encaminhamento dos autos à Polícia Federal (PF) e ao Ministério Público Federal (MPF), ante a possibilidade de ocorrência de crime por ocasião da oferta de vantagem indevida.

Ontem, Milton Ribeiro disse ter encaminhado, no ano passado, denúncias que recebeu e que envolviam a Pasta. Em nota, a CGU confirmou ter recebido documentos do MEC em 27 de agosto de 2021.

A Controladoria recebeu duas denúncias: uma anônima, que tratava de possíveis irregularidades que estariam ocorrendo em eventos realizados pelo MEC; e outra sobre oferecimento de vantagem indevida, por parte de terceiros, para liberação de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Afonso Marangoni

Postagem Anterior Próxima Postagem