terça-feira, 15 de março de 2022

Argentina suspende exportações de óleo e farelo de soja

O presidente da Argentina, Alberto Fernández 
Foto: Divulgação/Casa Rosada

Mercado teme aumento de impostos sobre a produção

Ministério da Agricultura da Argentina suspendeu o registro de vendas de exportação de óleo e farelo de soja. A decisão foi comunicada no domingo 13.

Segundo informações do jornal Clarín, o anúncio foi feito no início da colheita, para evitar que os itens saíssem do país. A medida impede as exportações da safra atual antes mesmo de os embarques físicos serem iniciados. De acordo com dados do governo, cerca de 5 milhões de toneladas de óleo e farelo de soja foram formalmente registrados para exportação neste ano.

A Argentina é responsável pela maior parte das exportações de óleo e farelo de soja. Em 2022, o país deverá responder por mais de 40% das exportações globais de farelo de soja e 50% das de óleo de soja, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

-Publicidade-

A Câmara de Processadores e Exportadores de Oleaginosas da Argentina classificou a decisão como “ilegal”. “É totalmente contrário ao interesse exportador da Argentina”, publicou, em nota.

“Fomos surpreendidos com o fechamento do registro de exportação do complexo soja”, disse José Martins, presidente da Bolsa de Cereais de Buenos Aires e porta-voz do Conselho Agroindustrial Argentino. “Nós expressamos nosso repúdio a qualquer mudança nas regras do jogo e qualquer tentativa de aumentar a carga tributária sobre o setor agropecuário, principalmente em uma safra atingida por uma seca severa, que reduziu significativamente a nossa produção”.

O mercado teme o aumento dos impostos sobre a produção. Atualmente, a alíquota sobre do farelo e do óleo de soja é de 31%, enquanto a do grão paga 33%.

Artur Piva