quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

Vantagem de Lula para Bolsonaro no 1º turno cai cinco pontos em um mês

Vantagem de Lula para Bolsonaro no primeiro turno 
recuou cinco pontos percentuais em um mês. 
GABRIELA BILÓ/ESTADÃO CONTEÚDO e 
ANTONIO MOLINA/FOTOARENA

PoderData aponta que o petista venceria todos os seus adversários em um possível segundo turno; Moro e o atual chefe do Executivo são os opositores mais competitivos contra o ex-presidente

A pesquisa PoderData divulgada nesta quarta-feira, 16, aponta que a vantagem de Lula (PT) para Jair Bolsonaro (PL) no primeiro turno das eleições de 2022 recuou 5 pontos percentuais em um mês. Em pesquisa realizada entre 13 a 15 de fevereiro, o petista aparece na liderança com 40% das intenções de voto. O atual presidente tem 31%, uma diferença de nove pontos. Há um mês, Lula marcava com 42% contra 28% de Bolsonaro. Em terceiro lugar aparece o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), com 9%, seguido de Ciro Gomes (PDT), com 4%. Moro oscilou dois pontos para cima, dentro da margem de erro. Ciro perdeu três pontos no intervalo. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), soma 3%. O deputado federal André Janones (Avante), 2%. O senador Alessandro Vieira (Cidadania) e o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD), têm 1%. A senadora Simone Tebet (MDB) e Felipe d’Avila (Novo) não pontuaram.

O levantamento ainda apontou que Lula venceria todos os seus adversários em um possível segundo turno. A vantagem do petista também diminuiu em relação há um mês. Hoje, Lula venceria seus opositores por ao menos 15 pontos percentuais. No mesmo período de janeiro, a dianteira era de pelo menos 22. Contra Bolsonaro, o petista venceria por 40% ante 35%. Em uma disputa com Moro, Lula levaria a melhor com 47% frente a 32% de Moro. Entre Lula e Ciro, o petista vence com 45% contra 22% do pedestista. Em um último cenário, Lula bate Doria por 46% diante de 18% do governador de São Paulo. Os dados da pesquisa foram coletados de 13 a 15 de fevereiro de 2022, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 3.000 entrevistas em 243 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança de 95%.