terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

Presidencialismo gera crises políticas no Brasil, afirma Gilmar Mendes

Gilmar disse que há uma oportunidade de rediscutir
 o sistema | Foto: Nelson Jr./SCO/STF

Ministro do STF defendeu mudança de regime político

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), culpou nesta, segunda-feira, 21, o presidencialismo brasileiro pelas crises políticas no país. “As questões em aberto no Brasil têm a ver com essas negociações para manutenção do poder”, disse, em entrevista ao programa Broadcast Live.

Segundo o juiz do STF, presidentes brasileiros cumprem o mandato com medo de sofrer uma ação de impeachment. “Sobretudo em razão do poder que o presidente da Câmara tem, além do procurador-geral, que pode deflagrar uma ação, e o papel do Senado como tribunal do impeachment.”

“Muitas vezes, temos levado o impeachment para resolver um problema sério de governabilidade”, criticou Gilmar, ao mencionar Portugal como modelo de semipresidencialismo a ser considerado no Brasil. Gilmar afirmou ainda que o Parlamento “tem influência enorme”, mas baixo grau de responsabilidade.

Para o ministro, há uma oportunidade de rediscutir o sistema: “Como o governo é muito carente de base parlamentar, por que não avançar para eleger um primeiro-ministro, que vai cumprir as suas funções e terá um contrato de coligação, de coalizão e fará um governo seguindo essas premissas?”

Redação Oeste