quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

Governo lança nova carteira de identidade com número único

Presidente Jair Bolsonaro (PL) anuncia a criação de um 
novo documento com identificação única, a Carteira de
 Identidade Nacional. Isac Nóbrega/PR

Novo documento irá unificar os dados pessoais dos brasileiros em um único documento e visa diminuir o número de fraudes e golpes

O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou nesta quarta-feira, 23, de uma cerimônia no Palácio do Planalto para o lançamento da Carteira de Identidade Nacional. A iniciativa visa unificar todos os documentos estaduais em um único registro – atualmente, cada Estado emite um documento para os cidadãos. A digitalização utilizará o CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) como número único para registro nacional. No cartão, que será disponibilizado gratuitamente tanto de maneira física quanto digital, também terá um código QR que irá conter todas as informações pessoais do indivíduo. Os institutos de identificação terá até o dia 6 de março de 2023 para se adequarem à mudança.

O ministro da EconomiaPaulo Guedes, voltou a citar o avanço digital do país como um dos fatores para a eleição de Bolsonaro, que teve grande parte da sua campanha em 2018 difundida pelas redes sociais. “Da mesma forma que as novas tecnologias fizeram rupturas de negócio, aconteceu a mesma coisa no universo político. Ninguém tem o monopólio da comunicação com a população brasileira”, afirmou. Segundo o ministro, a carteira digital faz parte de um projeto que vai unir diversos serviços, como atendimentos na saúde e na assistência social. “Me asseguro que o Brasil está bem à frente de 80% das economias avançadas”, acrescentou.

Anderson Torres, ministro da Justiça e Segurança, ressaltou a importância de um documento único para a segurança pública nacional. “A Carteira Única de Identidade é uma pergunta que há muitos anos eu não consigo responder. Como é que pode um cidadão ter 27 carteiras de identidades diferentes no nosso país? São inúmeros golpes, são inúmeras fraudes, são inúmeros crimes praticados em razão disso”, explicou o chefe da pasta. Além de Bolsonaro, Guedes e Torres, o evento contou com a presença do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), do senador e ex-presidente Fernando Collor (Pros-AL), e dos ministros da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves; da Secretaria-Geral, general Luiz Eduardo Ramos; da Cidadania, João Roma; da Agricultura, Tereza Cristina.

Críticas ao Supremo Tribunal Federal

Durante seu discurso, o presidente enumerou as conquistas realizada pelo governo, ressaltou que as Forças Armadas foram convidadas a participar do processo eleitoral nos pleitos deste ano e aproveitou o púlpito para tecer críticas à atuação do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com Bolsonaro, “geralmente, quem busca tolher a liberdade e impor um regime de força em um país é o chefe do Executivo. Aqui é exatamente ao contrário, é o chefe do Executivo que resiste”. O político ainda classificou como “inadmissível” que o Estado obrigue crianças e adolescentes a se vacinarem, uma vez que a guarda do menor é de atribuição dos pais.

Por Jovem Pan

Alagoa Grande News