Relatório de ONG é ‘desserviço à população’, diz Aras

O procurador-geral da República rebateu o relatório 
da ONG que o acusa de alinhamento ao governo 
 Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O procurador-geral da República também afirma que os argumentos da Transparência Internacional são 'ultrapassados'

procurador-geral da República, Augusto Aras, reagiu ao relatório da Transparência Internacional que o acusa de “alinhamento” ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

Em nota institucional, divulgada na quarta-feira 26, o PGR classifica o documento como uma “tentativa irresponsável” de ataque e disse que exerce um cargo “de natureza jurídica, e não de viés político”.

Aras também afirma que os argumentos da ONG são “ultrapassados” e que a entidade presta um “desserviço à população”.

 “Ao contrário do que afirmam os autores do estudo, não existe ‘alinhamento sistemático do procurador-geral da República, Augusto Aras, com o presidente da República’, mas sim um trabalho que respeita a Constituição, as leis, o devido processo legal e não pratica a exploração midiática de casos em apuração”, diz no texto.

A publicação da Transparência Internacional, disponibilizada na quarta-feira ao público, diz que houve uma “retração histórica” da Procuradoria-Geral da República no controle dos atos do governo.

Conduzido por pesquisadores do Direito, Economia e Ciências Políticas, o relatório é publicado anualmente pela Transparência Internacional e traz considerações sobre o trabalho do Executivo, do Congresso, do Judiciário e do Ministério Público Federal.

Redação Oeste

Postagem Anterior Próxima Postagem