Partido Comunista da China repatriou 10 mil cidadãos à força desde 2014

O secretário-geral do Partido Comunista da China,
 Xi Jinping | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Denúncia consta em relatório de ONG

A ONG espanhola Safeguard Defenders denunciou que o Partido Comunista da China (PCC) fez quase 10 mil de seus cidadãos residentes no exterior voltarem à força para seu país natal desde 2014, usando métodos coercitivos fora da lei.

O dado consta em relatório obtido pela agência de notícias AFP, em reportagem publicada nesta quarta-feira, 19. Conforme o documento, o PCC também está adotando operações ilegais no exterior, além de ampliar seus poderes para tal.

A papelada ressalta que as pessoas são pressionadas a voltar para a China contra sua vontade, por meio de uma combinação de métodos extrajudiciais que incluem sequestro, perseguição, intimidação e até mesmo violência física.

“Com a diáspora chinesa crescendo rapidamente, porque há cada vez mais pessoas querendo deixar o país, Pequim está ainda mais motivada a expandir os poderes de suas forças de segurança no exterior”, informou a ONG.

Em um trecho do documento, a ONG salienta que, entre os repatriados pelo Partido Comunista da China, são geralmente críticos ao governo comunista, cujas famílias são perseguidas e detidas para forçar seu retorno à China.

O PCC garante que o número de pessoas repatriadas é menor — cerca de 2,5 mil pessoas. A ditadura alegou que os indivíduos enquadrados pelo regime são “alvo da estratégia anticorrupção promovida pelo presidente Xi Jinping”.

Redação Oeste


@sbtpiemonte

Postagem Anterior Próxima Postagem